Newsletter

Home

 

ZAHLE: A CIDADE DO VINHO E DA POESIA

 
A cidade de intensa movimentação cultural também é referência gastronômica no Líbano. Confira aqui matéria publicada na Revista Carta do Líbano sobre a cidade de onde vieram os Ds.
 
O que têm em comum o senador Tasso Jereissati, o publicitário Roberto Duailibi, o presidente da FIESP Paulo Skaf, o advogado Alexandre Farah e o presidente da Confederação Nacional das Entidades Líbano-Brasileiras Charles Lotfi? Todos são figuras ilustres na sociedade brasileira e levam nas veias o sangue de imigrantes vindos de Zahle, capital de Beqaa, situada a 52 quilômetros ao leste de Beirute.
Com população estimada de 300 mil pessoas, em sua maioria, cristãos, é a terceira maior cidade libanesa. Seus habitantes desenvolveram uma personalidade divertida e amigável cujo sotaque é imediatamente reconhecido.
 
Considerada uma das principais cidades do Líbano, Zahle é famosa pelo seu ar puro, seus resorts e pela comida típica de alta qualidade que já virou referência gastronômica libanesa.
Especula-se que seu nome seja derivado do verbo árabe “zahhala”, que significa “vá em frente”. Dependendo das condições do trânsito, é possível dirigir de carro de Zahle até Beirute em apenas uma hora.
 
Zahle é uma cidade com intensa movimentação cultural, conhecida também pelo cultivo de vinhedos e pela produção de bons vinhos. Conta com ótimos restaurantes localizados a céu aberto nas margens do rio Bardouni, curiosamente chamados de “cassinos”.
 
A reputação intelectual da cidade deve-se a uma longa lista de poetas, escritores e historiadores que contribuíram para o desenvolvimento do Líbano. Mais de 50 deles nasceram em Zahle, no século XX, como Said Akl e os irmãos Fauzi, Chafic e Riad Maluf, que mais tarde vieram para o Brasil. Mas não foram só eles, uma grande comunidade zahlense vem se estabelecendo em terras tupiniquins desde o século XIX. A imigração em massa originou o Zahle Clube do Brasil, fundado em 5 de novembro de 1922.
 
 

História

Isolada do litoral pela cadeia de montanhas do Monte Líbano, Zahle foi fundada por volta de 300 anos atrás. No início do século XVIII, a nova cidade foi dividida em três partes, cada qual com seu governo. Anos mais tarde passou por um breve período de "estado independente", ocasião em que até mesmo uma bandeira própria fora produzida.
 
A linha da estrada de ferro que veio a ser concluída em 1885 melhorou o comércio, e a cidade transformou-se em um "porto interno" do Vale do Beqaa. Era também o centro da agricultura e do comércio entre Beirute, Damasco e Bagdá. Considerada o local estratégico do exército libanês, Zahle ocupa um dos principais papéis na vida política do país.
 
Restaurantes no rio Bardouni
O rio Bardouni nasce no Monte Sannine, passa por dentro de Zahle e é o melhor local da cidade quando se fala em comer ao ar livre.
A tradição dos restaurantes na região do Bardouni é secular e começou com simples cafés.
 
Hoje em dia é possível se deliciar com a mais típica comida libanesa, sem contar o inigualável café libanês. Em cima ao vale do Bardouni estão os restaurantes como Qaa el-Reem, conhecidos também pela imperiosa qualidade de seus alimentos e excelentes ambientes.
 
O rio Bardouni tem águas rasas especialmente no verão pela baixa quantidade de chuvas e neve nas montanhas libanesas.
 

Vinhos e arak

Na entrada do sul da cidade a estátua de uma fêmea graciosa personifica o vinho e a poesia, mas são nas colinas ao norte como Hadi, Harqat e Bir Ghazour onde estão as plantações e os vinhedos que fornecem matéria-prima para a indústria do vinho e do arak de Zahle. Muitas dessas bebidas foram reconhecidas formalmente no exterior pela sua qualidade inigualável. Uma excursão pelo interior de Zahle é uma maneira boa de ver como o vinho e o arak são feitos.
 
Vale a pena conhecer as extensas cavernas subterrâneas, construídas em torno de uma gruta natural conhecida e ampliada pelos romanos.
 

Celebrações locais

Todos os anos, entre os dias 10 e 20 de setembro, acontece o famoso Festival do Vinho de Zahle realizado nas montanhas da cidade e que coincide com o Festival das Flores, bastante popular na região.
 
Como maior cidade cristã do Líbano ela se destaca pelo Festival de Corpus Christi, que teve sua primeira edição em 1825. O evento é comemorado na primeira quinta-feira de junho. Na manhã seguinte, uma missa acontece na Igreja de Nossa Senhora de Socorro, seguida por uma procissão onde a população da cidade carrega o santo sacramento pelas ruas.
 

O que se deve ver em Zahle

Um bom exemplo de arquitetura tradicional é a Casa Jeha, uma residência particular situada na cidade antiga. Seu jardim, suas galerias superiores e o aspecto exterior geral representam a arquitetura do início do século XVII. Construída pelo Sheikh Khalil Jeha, a casa tem 24 compartimentos e está ocupada hoje pela sétima geração da família. Um velho túnel de 1400 metros liga a casa à igreja do Santo Elias.
 
Outras residências antigas são notáveis por suas arcadas e jardins como as magníficas casas Youssef Azar, Wadih Skaf e al-Hindi. Há ainda o antigo Serralho datado de 1885. Este belo edifício mostra a influência européia sobre a arquitetura local durante o período otomano, serve de sede aos serviços municipais e seu museu local é previsto dentro de seus muros.
No início do século XX hotéis começaram a ser construídos em Zahle para atender as necessidades de uma atividade turística em pleno desenvolvimento. O Hotel Sohat de 1878 foi destruído, contudo sobraram três outros que datam deste período: os hotéis América, Akl, e Kadri. Este último foi construído em 1906 e teve sua época de glória, mas em 1914 foi ocupado pelo exército turco e utilizado como quartel general e hospital durante a Primeira Guerra Mundial.
 
O suk Blatt é uma rua comercial que conduz à parte mais antiga da cidade. Neste suk, uma grande página da história de Zahle foi escrita.
A Igreja de Saydet al-Zalzaly é considerada a mais antiga igreja de Zahle. Construída em 1700, ela não ocupa mais o centro da cidade.
 
A Igreja do Santo Elias foi construída em 1720 e considerada como um magnífico monumento conhecido pelo nome de al-Mokhallisiah.
O Mosteiro de Saydet al-Najat foi construído em 1720, sua igreja possui o maior sino do Líbano. Este mosteiro é conhecido por guardar um ícone da Virgem Maria ofertado pelo rei da Prússia.
O Mosteiro de Santo Elias al-Tuwak foi construído em 1755, renovado em 1880 após um incêndio e ainda hoje continua sendo um magnífico monumento de arcadas.
 
O Hospital Tal Shiha, com seu telhado vermelho, foi inaugurado em 1948. Situa-se sobre a colina do mesmo nome. Este lugar é recomendado para fotógrafos. Em cima está localizada a estátua de bronze da Virgem Maria de dez metros de altura, executada pelo artista italiano Pierroti, enquanto a base da torre é uma pequena capela com capacidade para receber mais de 100 turistas.
 
Dispersados em volta de Zahle encontram-se vários vestígios que datam da idade do bronze (3000 - 1200 a. C.). Pode-se ver túmulos cravados nos penhascos de Wadi al-Arayesh e sarcófagos bizantinos, romanos e cananeus que foram encontrados nas colinas em volta da cidade.
Zahle possui hoje muitos atrativos, fontes e agremiações: doze hotéis estão em atividade, assim como vários restaurantes, cafés, centros de diversão, boates e cinemas. As atividades financeiras e comerciais contam com a presença de dezesseis bancos e várias sociedades de seguro e de câmbio.